SHELACH 1 & 2

AULA 1 – PALAVRAS CHAVES: Parashá Shelach 5769 (15-06-2009) relações ilícitas, abominações, corrupção moral, homossexualismo, afronta a D-us, perversão da consciência, sítra áchra/lado do mal, difusão do mal no mundo, falta de fé, vitória por meios naturais, tempos atuais, milagres, fé.

AULA 2 – PALAVRAS CHAVES: Parashá Shelach 5770 (31-05-2010), o “pecado dos espiões”, as mitsvót desta parashá, questão sobre o nome desta parashá, o nome de uma entidade é o reflexo de sua essência, o relatório dos espiões (Bamidbar 13:28), a conclusão do relatório (verso 31), a promessa de Hashem para o povo entra na Terra Santa, vitória natural ou supernatural, não se depende de milagres, o ordenamento de Hashem pressupõe que a pessoa poderá cumpri-lo, a realidade superficial e “apressada”, o mundo é a desculpa para não se cumprir o desejo de Hashem, justificações para a desconexão com Hashem: tudo pode ser usado como desculpas, a crença exclusiva no meio natural: da vitória por méritos próprios, falta de autoestima e ignorância espiritual, a promulgação da consciência sobre o Divino depende dos homens, a pessoa sem fé e o divórcio da possibilidade dos milagres, a real opção da fé transcendem o grau racional/natural, os meios naturais são Hashem Ele mesmo, em guemátria Elokim = HaTeva/A Natureza, só o orgulho separa a pessoa de Hashem, a perda da chance de uma vida excepcional através da Providência Divina, o limite da falta de fé impede o alcance dos potenciais, o erro dos espiões: “Eu não sou capaz…”, a infantilização espiritual, o treino de ideais que bloqueiam a fé, a ascensão de vida depende do equílibrio entre o material e o espiritual, a necessidade de nossos esforços diante do entendimento de que tudo vem de Hashem.

tzedakah

NASSÔ 1 & 2

AULA 1

PALAVRAS CHAVES:  sotah, espírito de ciúmes, pureza sexual, Yossêf HaTsadik, Yesód, zelo.

 

AULA 2

PALAVRAS CHAVES:  nazír, cabelos, opshernish, vinho, impureza, tikun, barba, Kéter, alma, consciência.

tzedakah

BECHUCOTAI

PALAVRAS CHAVES: A tsedacá/caridade, é necessário porém não suficiente só estudar Torá, a prática das mitsvót (“mandamentos”), alinhamento com D-us depende do cumprimento das mitsvót, se fixar no estudo de Torá sem prática é (quase) como heresia, o problema do acadêmico no Judaísmo, intelectualização arrogante e o auto-sistema de crença, a admoestação desta parashá sobre não cumprir o desejo de D-us, a Torá é nossa “aliança” espiritual com Hashem, o erro do teórico, tikún (“retificação”), a pessoa que anda na Torá ajuda a retificar o mundo, Yesód: o “conector” espiritual entre o mundo físico e o espiritual, Yesód é o justo: a fundação do mundo, a causa do caos no mundo, alinhamento espiritual e as bênçãos, a interrupção da luz e a dor do homem, comportamentos errados: criando caos no mundo, klipót (“forças do mal”), os julgamentos de Íma/Binah, o subjugar da misericórdia, o aumento dos julgamentos aumenta a discórdia entre as pessoas, os atos corretos/mistvót subjugam os julgamentos, o jugo Divino, a escravidão dos desejos, os preconceitos da vida secular, a tsedacá salva da morte, Nôach unificou as luzes das sefirót, trazendo Mashiach, teshuvá (“retorno a D-us”), a tsedacá “adoça” os decretos Divinos, se preocupando com fazer o que é certo, a “doce” Era de Mashiach.

tzedakah

EMOR

PALAVRAS CHAVES:

Aula 1: Kedusha (“Santidade”), a kedusha maior dos cohanim (“sacerdotes”), as várias proibições para um cohen, obtendo kedusha através da perishá (“separação”) das coisas proibidas, o pshat (“nível literal”) da Torá, o processo espiritual da construção/destruição de mundos antes do nosso, o Mal é a “sobra” deste processo, o Mal é “a escuridão na face do abismo”, Isaías 45:7 “a escuridão/Mal é uma criação”, a luz vindo da escuridão, a luz original da Criação foi ocultada para os justos, a luz/kedusha precisa ser separada do Mal/tumah (“impureza”), as mitsvót/mandamentos servem também entendermos intimamente o conceito de kedusha e tumah, a perishá original/”separação primoridal” foi desequilibrada pelo pecado de Adam e Cháva, devido ao pecado original as forças do bem/luz e do mal/escuridão se fundiram dentro de Adam e Cháva, a formação das duas inclinações no homem: a boa e a ruim, tikún: o ato de realinhar algo em desequilíbrio, restaurando a perishá: a função da Torá, Mashiach (“Messias”) é o tempo em que o tikún finalizado, cumprir as mitsvót difunde luz espiritual nos mundos, revelando as fagulhas Divinas, a Shechiná (“Presença Divina”) é a origem da kedusha, reequilíbrio do mundo e do mundo pessoal, a lógica da Era Messiânica, o “pão de D-us”: a oferenda dos cohanim, a teshuva, o mestre professor da Torá: o cabalista

AULA 2: O alinhamento com D-us através das mitsvót (“mandamentos”), diferenças de graus de consciência/percepção/lucidez, níveis de bitúl (“anulação”), recebendo o “jugo Divino” da Torá e mitsvót, humildade no cumprir do desejo de D-us, a definição do orgulho e arrogância, o bitúl leva à ascensão de consciência, os medos de crescer: a falta de fé, sérios limites de percepção devido à falta das mitsvót, desconexão com o espiritual, Hashem sublinha a tudo, a “escravidão” materialista, a natureza animal do homem, o grave problema da preguiça, a cristalização dos comportamentos e posturas cômodas, o tsimtsúm: a contração da luz Divina, as manifestações independentes na criação ocorrem graças ao tsimtsúm, o enxergar da realidade no aspecto da verdade, a verdade é eterna, a ilusão sensorial, a excessiva identificação com o mundano, insegurança e dúvida: a falta de bitachón (“confiança em D-us”), as “opiniões” dos homens, caos e incoerência, a bondade de se escutar uma pessoa caótica, o fracasso no aperfeiçoamento, o aumento na incoerência devido à reincidência, o Makóm Panúi (“Espaço Vago”), a heresia dos que desdenham a Torá e a mitsvót, a blasfêmia dos “achismos”, a grande heresia da negação de D-us.

tzedakah