SUCÓT

Um shiur místico do Rabino Avraham sobre a festa de Sucót, baseado no seu livro: “A Bondade para Avraham”, pág. 500. O grande zelo e amor do Rabino Avraham pelos ba’alei teshuva – judeus fazendo seu retorno espiritual a uma vida digna de Torá e mitsvót – se revela mais ma vez nesta aula de luz intensa.

PALAVRAS CHAVES: O Nome Divino Shak-dai, a águia e seus filhotes, o limite da apreciação da realidade, o mundo que o homem construiu, Elokim tem o valor numérico de HaTevah (“A Natureza”), o resgate da espiritualidade, a “Cortina”, erros no julgar da realidade, tsimtsumim (“restrições e ocultações da luz”), a “sensação” de independência de Hashem, o sublinhar – as causas e essências – da realidade é Ele somente, a fagulha Divina que tudo sustenta, a deficiência na fé, o prazer espiritual, felicidade na Torá, matê ve’ló maté (tocar, mas não tocar), a oscilação da consciência, desejo de retorno à santidade, “erguendo” a cortina espiritual, a busca interior por ligação com Hashem, o vazio existencial do “consumismo”, os disfarces da sociedade sem Hashem, emulando Hashem através da “inversão do seu desejo”, o altruísmo, se submetendo a kedusha (“santidade”).

tzedakah

YOM KIPUR

Um shiur do Rabino Avraham sobre a festa de Yom Kipur e as leis da teshuva.

PALAVRAS CHAVES: As halachót (“leis”) de Teshuvá (“retorno e arrependimento”), necessidade da confissão verbal dos pecados em Yom Kipur, arrependimento dos pecados, a realidade é imbuída com a possibilidade da teshuvá, consciência da capacidade de retificação existente na realidade, teshuvá por amor a D-us transforma as manchas espirituais em méritos, nem todos os pecados são expiados em Yom Kipur, níveis de expiação, a grave punição celestial (só para os judeus) de Karêt (“corte” do Bnêi Israel, o “Povo de Israel”), o constante escrutínio do Beit Din shel Ma’alah (“Tribunal Celestial”), o gravíssimo pecado de Chilúl Hashém (“profanação do Nome de D-us”), a teshuvá completa, o ba’al teshuvá (“mestre do retorno”), teshuvá em idade mais avançada, a importância da resolução da teshuvá no coração, contato com Hashém, a tsedacá (contribuição a alguém digno que precisa, em geral, de modo financeiro), afastamento das fontes de transgressões, a família “antiga” do ba’al teshuvá, o uso do “poder da fala”, “Lech Lechá” (Gênesis 12:1): “saia da casa de seus pais”, o recebimento do “jugo” Divino, pedir perdão para os homens, Yom Kipur é tempo de teshuvá

tzedakah

HISTÓRIAS CABALÍSTICAS 4

Três histórias místicas narradas e comentadas pelo Rabino Avraham, ligadas à festa de Sucót. O tema central são os atos dos tsadikim (“justos”) e suas tefilót (“orações”). A primeira história é sobre o Rebe de Nadvorna, a segunda sobre o Rebe Pinchas de Koritz, e a terceira sobre o Rebe Meír de Premishlan.

tzedakah

ASSÉRET YEMÊI TESHUVA

Asséret Yemêi Teshuva são os “Dez Dias de Arrependimento” entre Rósh Hashaná e Yom Kipur – um tempo valioso para a teshuva. E eis aqui mais um shiur de Mussár (“ética e moral”) místico do Rabino Avraham Chachamovits sobre a teshuva, baseado no seu livro: “A Bondade para Avraham”, Shabat Teshuva & Yom Kipur, pág. 485.

tzedakah

ROSH HASHANÁ

Rósh Hashaná, comemorado no primeiro e segundo dias do mês hebraico de Tishrei, é diferente de todas as outras festividades judaicas. Todas as demais marcam uma experiência significativa na história de nosso povo, enquanto que Rósh Hashaná celebra um evento universal: a criação do primeiro homem e da primeira mulher. Rósh Hashaná não é, portanto, apenas uma data sagrada para o judaísmo, mas uma celebração universal, que enfatiza a necessidade de que cada ser humano tenha plena consciência de sua missão nesta vida.

Neste shiur o Rabino Avraham Chachamovits oferece insights sempre pertinentes ao período de teshuvá – o retorno a uma vida alinhada a D-us. Somente através da teshuvá é possível obter a consciência do propósito da vida e o apressar da era do único Mashiach.

tzedakah

A ALEGRIA DE TU BE’AV

De acordo com o Talmud, Tu Be’Av (o dia 15 do mês de Av) foi um dia alegre durante a época do Templo. É um dia especialmente auspicioso para casamentos (ou marcar este compromisso), sendo um dia de amor e felicidade. O shiur do Rabino Avraham elucida esta data judaica.

tzedakah

HISTÓRIAS CABALÍSTICAS 3

Três histórias místicas narradas e comentadas pelo Rabino Avraham, ligadas à festa de Purim. O tema central é como as ações aqui em baixo – no nosso mundo físico – geram respostas espirituais no Alto que reverberam aqui.

tzedakah