OR HOZER – CABALÁ E PSICOLOGIA 4

Nesta continuação da série sobre Cabalá e Psicologia, o Rabino Avraham Chachamovits adentra o tema da ansiedade. Em um seqüência inspirada e intensa, a aula elucida como o caminho para o crescimento espiritual depende do equilíbrio, e como de fato a ansiedade é um termômetro emocional que indica algum grau de desequilíbrio. Em geral, terapias laicas buscam primeiramente suprimir a ansiedade. No entanto, explica o Rabino Avraham, minimizando o estado de ansiedade não trata a ansiedade. Ao contrário, a reação é refratária uma vez que a pessoa se “preenche dela mesma” na percepção da gravidade do problema. É preciso trabalhar para “deflacionar” o ego que se enche da ligação da pessoa com o problema. A aula prossegue iluminando outros aspectos da ansiedade como resultado de um processo obsessivo que acaba por formar “cadeias de ansiedade”, caracterizadas pelos desejos da pessoa. Enfim, quanto maior o ego da pessoa, maior a sua sensação de “merecimento”, e a contrariedade da realidade em suprir às necessidades idealizadas só aumentam a ansiedade. Portanto, existe uma relação direta entre egocentrismo e ansiedade. A aula trata e reconhece a dificuldade na neutralização do ego. No entanto, o sistema “indireto” da Torá, como trazido pelo mestre Chassídico, o Ba’al Shem Tov, busca resolver este problema de equilíbrio através da contemplação de D’us como a forma de aplacar a ansiedade. Assim, se estabelece um novo contexto para a psique – removendo o intenso auto-foco da pessoa – o que neutraliza o ego através do redirecionar desta força interior para a contemplação da grandeza infinita de D’us.

Uma explosão de insights fazem desta aula uma vértebra fundamental para o restabelecimento do equilíbrio mental e emocional da pessoa que deseja se ligar a Torá de D’us e viver uma vida retificada e feliz. E este serviço alegre ao Criador certamente contribuirá para a revelação do único Mashiach, e que isso seja muito em breve em nossos dias, amém.

tzedakah

9 pensamentos sobre “OR HOZER – CABALÁ E PSICOLOGIA 4

  1. Bom dia Rabino Avraham, permita publicar pequena impressão sobre mais este pilar para o caminho da retidão. Que D-us permita.

    Entendo que nesta aula o Mestre apresenta com extrema propriedade tudo o que acontece com a pessoa cujo ego é inflado a ponto de se sentir o centro das atenções, mesmo tendo algum “gosto” de todo este arranjo que o lado do mal prepara para quem não esta ligado com o Criador, a pessoa ainda precisa de mais e ao não conseguir, procura culpar a todos em sua volta pelo seu suposto sofrimento etc. Logo ela descobre um pequeno problema e o torna um gigante ao dar ênfase excessiva a assuntos muitas vezes desnecessários, pois o seu foco é distorcido em relação ao ponto de vista central que deve ser D-us em todas as circunstância.

    O Mestre traz todas as possibilidades de uma pessoa externa auxiliar outra em desespero pelo excesso de ansiedade negativa, e nos ensina que não podemos desmerecer o sentimento da pessoa ao dizer que ela não deve dar tanta importância para sua ansiedade, pois isso causaria mais ansiedade ainda, tudo isso porque o ego naturalmente inflado transmitira para psique da pessoa uma espécie de afronta e auto piedade também. Sendo que a maneira correta é buscar expressar para a pessoa o quão ínfimo nós somos, que a tudo dependemos única e exclusivamente da misericórdia e benevolência do Criador, e que sendo tão pequenos é normal que tenhamos dificuldades e por vezes sofremos de ansiedade e outros males trazidos para que possamos reconhecer a Grandiosidade do S-nhor do mundo. E que através deste reconhecimento possamos então seguir as Leis que servirão como “condutores” até a Luz, assim cada esforço será blindado com alegrias doces e entendimentos revelados.

    Reflito sobre tudo que esta acontecendo nestes dias em minha vida e compreendo ainda mais que tudo é providencia dEle, o fato de estudarmos estas aulas edificantes neste período quando realmente preciso buscar respostas em meu interior, e através de uma auto-analise aferir se realmente estou vivendo a vida como me proponho de fato, será que estou mesmo sendo humilde em compreender que preciso fazer muito mais para minha retificação e compreensão de tudo que o Mestre ensina.

    Obrigado Rabino Avraham por tantas revelações fundamentais para seguir a vida.

    Edson Bertoldo

  2. Bom dia querido Mestre peço permissão para publicar minha mínima interpretação sobre o que entendi sobre a aula.

    Nesta 4ª parte desta maravilhosa série, o Mestre aborda mais uma vez os aspectos místicos ligados a ansiedade entrando na psicologia cabalística do assunto. E nesta aula me fez lembrar o quanto esse aspecto me prejudicou ao longo da trajetória da minha vida, pois me lembro que devido a minha dificuldade na fala (gagueira) pelo fato de ficar ansioso por falar me trouxe problemas psicológicos que comecei a trabalhar, com a ajuda de Hashem, sozinho e depois que conheci minha esposa ela me ajudou nessa questão, pois pelo pouco que li sobre o assunto a gagueira está ligada a ansiedade e também a timidez (ainda que esse aspecto não ter sido abordado nesta aula). Esse shiur desta série profunda me ajudou a entender, ainda que minimamente., como controlar isso em minha vida com mais espiritualidade e confiança em Hashem, pois a pessoa que de fato confia em D’us dorme tranqüila e não tem preocupação de nada nesta vida., pois D’us tudo supre. Relendo o texto senti de escrever sobre o que cita o último parágrafo falando sobre o egocentrismo que precisa fazer uma auto análise para ter a percepção que sem D’us nada acontece em sua vida pois a pessoa que reconhece isso não sofre com ansiedade, pois Hashem tudo supre.

    Rendo graças a D’us por esse ensinamento que o Mestre Rabino Avraham nos proporciona.

    Tudo de bom sempre

    Carlos Henrique

  3. SHALOM CARO RABINO AVRAHAM E AMIGOS DO BEIT ARIZAL,

    Peço a licença do Rabino Avraham e dos amigos para comentar brevemente sobre o presente shiur:

    Entendo que ao lidar com a ansiedade é necessário que eu tenha uma confiança/bitachón incondicional em D-us, independentemente do grau de complexidade dos testes que se deparam em minha vida, pois tudo é para o bem e como foi ensinado no shiur, preciso ser feliz com o meu lote, não invejar ninguém em meu coração, e reconhecer com gratidão que minha vida e tudo que tenho é presente de D-us, buscando silenciar a mente e o coração, rezando, agindo com humildade e esperando a resposta de D-us para cada dificuldade.

    Desta forma entendo que posso me separar dos meus problemas e ao estudar a Torá e contemplar a grandeza de D-us posso adquirir novos circuitos mentais que possibilitam que eu enxergue aspectos das verdades Divinas que ainda não enxergo e que contribuirão para nulificar o meu ego, que D-us permita. Shalom e tudo de bom caro Rabino Avraham e amigos.

    Respeitosamente, Emerson

  4. Shalom Rabino Avraham e aos demais Srs., eu peço permissão para postar breve comentário sobre a aula do curso Or Hoser.

    Nesse Shiur o Rabino Avraham, graças à D’us, discorre sobre o assunto da ansiedade não retificada, tão comum no mundo secular, agora colocando ênfase no fato de que o ‘Ego inflado’ é o grande responsável pelo agravamento do problema. Ao contrário, a maneira correta da Torá para se lidar com os problemas é sempre através do caminho da humildade (auto anulação); que implica primeiro na total aceitação e submissão ao problema, percepção de que as ambições e vontades humanas, portanto as reações aos problemas são insignificantes quando comparados aos propósitos superiores do Criador, e finalmente a Fé de que “Nada irá faltar” como afirma o Rabino Avraham no livro Cuidado a Sua Alma Pode Estar em Perigo sobre o salmo 23. Pois graças à D’us, no final, Ele sempre provê tudo ‘fartamente’, isto é, uma ‘mente’ ‘farta’, repleta, de coisas doces e boas se D’us quiser.

    Tudo de Bom!

    Carlos Bengio.

  5. Shalom Rabino Avraham. Venho aqui mais uma vez pedir permissão ao Sr., para fazer um breve comentário, expondo um humilde entendimento.

    Nesta aula consegui aprender que quando lidamos com a ansiedade, principalmente nos tratamentos convencionais da psicologia secular, normalmente procura-se suprimir a idéia da ansiedade. É colocado que o problema da pessoa não justifica sua ansiedade, que não tem o porquê dela estar assim diante da situação. Porém, quando isso é feito, a pessoa se foca ainda mais no problema, e isso causa um efeito contrário, ou seja, isso infla o seu ego e o problema cresce em importância, causando mais ansiedade. Muito importante este aspecto da aula.

    Por conseqüência então, entendi que um ponto muito importante na resolução da ansiedade é a desinflar do ego. Onde os desejos egoístas das pessoas quando não atendidos geram ansiedade, porque o ego não admite a não realização desses desejos. É uma postura infantil, imatura, de se achar que pode tudo e tudo tem que ser do jeito imaginado em sua mente. Nada pode escapar de seu controle. Isso pode soar como absurdo, mas não é tão incomum, pois o mundo secular prega que se você quer então, você pode. Mas não é assim. Então esse é o maior problema: o ego da pessoa.

    Surge outro agravante: no processo do desinflamento do ego, muitos supõem: se a pessoa está ansiosa, com problemas, será que o desinflar do seu ego não causaria uma baixa estima na pessoa, um desânimo? Nada disso. O processo aqui é a pessoa olhar para dentro de si e enxergar isso de forma inversa; de ver que ela não é tão importante ou tão “bam, bam, bam” como ela pensava que era. Que ela é menor que isso. Mais ainda, ela nem deve se comparar, em sua pequenez, com o Criador, porque senão a postura ainda vai ser baseada no ego, porém ela tem que ter a percepção de que D-us está no controle de todas as coisas. A pessoa tem que aprender e aceitar na verdade de que tudo está no controle de D-us e que tudo que é permitido por Ele, sempre é para o bem. E, nesse processo às vezes não quer dizer que a pessoa terá sua realidade como ela imaginou que fosse. O Rabino Avraham ensina que entre o desejo da pessoa e a realidade existe um vão, esse vão é a ansiedade. Muito importante isso.

    Nesta aula aprendi ainda outra ferramenta muito eficaz para desinflar o ego: a contemplação de D-us. Quando a pessoa medita na grandeza do Criador, gera em seu coração um desejo retificado. O desejo de ligação com D-us, o desejo original de sua alma. A pessoa então passa a enxergar o quanto ela já é abençoada por D-us e que ele provê tudo o que é necessário para ela. Percebe a misericódia e a bondade de Hashem, e isso aquieta a sua mente equilibrando suas emoções. Podendo assim tratar de maneira apropriada a ansiedade.

    Como o rabino ensina, a pessoa começa ter mais objetividade e menos subjetividade, isso faz com que ela de maneira calma, consiga lidar com qualquer situação da realidade que está à sua frente, por um foco agora retificado e assim se D-us quiser poderá atingir novamente seu equilíbrio.

    Agradeço ao Sr. Rabino Avraham, a oportunidade de caminhar mais um degrau nesse processo de retificação pessoal e do mundo que vivemos.

    Tudo de bom.
    Robson Cleber Garcia da Silva

  6. Shalom Mestre,

    Pude aprender nesta magnifica aula alguns pontos os quais me chamaram atenção, entre esses logo no inicio o Sr diz que o caminho para o crescimento espiritual depende do equilíbrio e a ansiedade é um termômetro para medir esse ponto.

    No decorrer da aula o Mestre comenta que quanto mais a pessoa se foca no problema mais ela infla o seu ego pois a ansiedade gera mais ansiedade, a pessoa se torna obsessiva consigo e tem o seu ego inflado. Eu jamais havia observado por essa ótica de que o ansioso é uma pessoa com ego grande.
    Compreendi que quanto maior o ego da pessoa maior a sensação de merecimento ela tem. Observando por essa analise consegui compreender que eu mesmo já fui assim, me sentia injustiçado em alguns momentos devido a frustações egoístas. O Mestre afirma que pessoas ansiosas tem um ego grande por achar que elas merecem muito mais do que estão recebendo.

    O Mestre diz sobre a importância da neutralização do ego. A maneira que a Tora trata a ansiedade é o melhor caminho, dá margem à pessoa sobre uma nova apreciação dá espiritualidade. Eu trago um relato pessoal neste paragrafo pois eu sofri de extrema ansiedade boa parte da minha vida e somente após o contato com a Torá através do Rav Avraham eu tive minha vida completamente alterada para o bem, aos poucos fui rebaixando meu ego e curando minha alma, o que graças a D-us extinguiu muito da ansiedade que eu já sofri.

    O Rav comenta que se a pessoa observar a grandeza de D-us automaticamente o ego é rebaixado. Quanto mais a pessoa se aprofundar nesse contato com o Divino, mais segura ela vai se sentindo e a forma dela lidar com as causas dá ansiedade mudam, pois ela se sente protegida por Hashem. Eu me emociono ao comentar essa parte pois vivi exatamente esse processo e pude abandonar os remédios para ansiedade e depressão os quais já tive que tomar em algumas fases da vida.

    O Rabino cita uma frase de Rambam “só existe um único ser que é Hashem”, todo restante é ligado a Ele.
    Ao estudar esses assuntos profundos a pessoa sofre uma mudança de intelecto e consciência, a gente não consegue mais enxergar as coisas da mesma maneira, há um rompimento com a forma de pensar anterior. Porem uma pessoa egocêntrica não consegue ter fé em D-us, infelizmente boa parte do mundo sofre com ansiedade e tudo isso devido ao distanciamento e de uma verdadeira conexão com o Divino;

    Por fim o Rav traz algo muito importante, que devemos articular nossos pedidos a Hashem. Ao utilizarmos a oração que é a ferramenta espiritual mais importante que existe. Posso sentir o poder da oração em momentos de aflição em minha vida, como no caso extremo que vivi recentemente com a saúde de minha mãe, eu articulei meus pedidos a Hashem e me senti confortado apesar da gravidade da situação, se fosse em outra época eu teria surtado de tanto nervoso e ansiedade, mas Baruch Hashem, pela Providencia Divina tive contato com o Mestre, o que alterou completamente minha forma de viver e observar o mundo.
    Agradeço por mais essa oportunidade de aprendizado.
    Thiago

  7. Saudações Rabino Avraham
    Peço que me permita trazer mais um comentário da pequena reflexão que pude alcançar no estudo deste shiur.
    A exposição que o Mestre nos faz revela uma dimensão que me deixa espantado com a o grau de evidência. Fico espantado porque não consego entender como isso pode ficar escondido de nossa percepção.
    Pelo que minimamente consegui compreender, a ansiedade pode ser considerada exatamente a medida da minha falta de fé. Nos fechamos no ego e, com isso, não conseguimos perceber que existe algo além dele mesmo, D´us.
    E como o nosso universo se encerra em nosso ego, como nossa visão não consegue ver além dele, então tudo que fazemos é voltado para prover a nós mesmos e para isso só podemos contar com o nosso próprio Eu.
    Então, temos que nos mobilizar com tudo, porque é só o meu ego quem pode prover para todos os inúmeros desejos e necessidades do meu ser. Nesta visão turva, míope, tudo depende do Eu, tudo se passa em razão do Eu, tudo se volta para o Eu e o Eu é a única saída e possibilidade de resolução de todos os problemas.
    Quando conseguimos abaixar o ego, conseguimos ver adiante e perceber que há algo além do meu Eu, que é D´us. Ele está lá é muito maior que sequer possa imaginar.
    Acredito que sabemos disso intelectualmente. Acho que a cultura humana em geral, a despeito das vicissitudes das secularidades, dos desvios e da idolatria, toma D´us como o ser mais amplo. Então é algo que sabemos, intelectualmente. Mas não vivemos isso. Não faz parte de nossa vivência, não é o que pressupomos no dia a dia, na nossa interação com o mundo.
    Precisamos perceber isto numa dimensão vivencial. Quando começamos perceber que há algo além, é porque rebaixamos nosso ego e, com isso, passamos a perceber que não há apenas os nossos desejos, nem depende de nós prover nossas necessidades. Captar e compreender que D´us é maior que tudo, que sua presença é sempre maior e fundamental que a insignificância do meu ego, permite que eu me mobilize menos, me preocupe menos e, portanto, sinta menos ansiedade.
    É um belo e árduo aprendizado.
    Shalom

  8. Shalom Rabino Avraham, peço permissão de fazer uma síntese do curso Or Hozer 4 —Cabala e Psicologia .
    Interessante notar como a pessoa diante de um processo ansioso, tem a tendência de buscar suprimir a ansiedade. Alguém fala para a pessoa que está ansiosa, que ela não precisa se preocupar, que seu caso não merece ficar ansioso etc… caso a pessoa se foque demais no seu problema, mais o seu Ego se infla e a partir daí só cresce o grau de ansiedade devido ao quadro de obsessão da pessoa com o problema.
    Então vamos partir para neutralizar esse ego inflado, a maneira ideal é você deixar de focar em si mesmo e se focar em D-us, eliminar essa obsessão consigo mesma e neutralizar o Ego , através de observar a grandeza de D-us, o desejo é se ligar ao Divino. O Rav explica o caminho indireto de se focar no Eterno, o desejo de ligação com D-us se manifesta através do amor, amor a seus princípios amor a uma vida em que D-us esteja presente e quando temos essa consciência da presença de D-us na nossa vida, resulta na misericórdia de D-us, na sua benevolência.
    Mas a situação de neutralizar o ego não fica apenas restrito a se focar na grandeza de D-us, a pessoa percebe que sua condição egocêntrica é um grande obstáculo para se ter crença em D-us.
    Ela percebe que é incompatível seu ego inflado, com a existência Divina, com D-us. Partir dai a pessoa consegue enxergar outra realidade, ela enxerga que tudo vem de D-us, tudo é presente de D-us, ela começa neutralizar o ego a partir do momento que assume uma postura mais humilde.
    Ela agora entra numa fase de adoçamento da ansiedade e quando ela pede a D-us tudo e fala: “D-us, absolutamente eu coloco tudo em Suas mãos, eu peço que Você resolva os problemas porque eu não tenho capacidade de resolver tudo que está acontecendo” , ela entrou num estágio onde o ego foi neutralizado. Ela conseguiu sanar a ansiedade, e aprende a orar, graças a D-us, que é uma ferramenta espiritual muito importante na relação entre o homem e D-us.

    Francisco Fernando

  9. OR HOZER – CABALÁ E PSICOLOGIA 4

    Boa noite Sr. Rabino Avraham, gostaria de escrever um breve comentário sobre esta aula que nos ajuda muito a respeito de como lidar com a ansiedade que é considerado nessa geração como o mal do século.

    Através dessa aula do nosso mestre é explicado para nós que a ansiedade que existe no homem é porque existe um desequilíbrio na pessoa e é muito importante tratar essa ansiedade que causa um desequilíbrio na vida da pessoa.

    A ansiedade surge quando a pessoa está diante de um problema e quanto mais ela se foca nesse problema mais ela infla o seu ego e através disso ela pensar e achar que ela é merecedora de alguma coisa mas na verdade a pessoa acaba pensando só nela mesma tornado-a mais egocêntrica.

    Uma pessoa extremamente egocêntrica ela pode causar transtornos entre relacionamentos
    e pode ter dificuldades de se relacionar com outras pessoas aumentando ainda mais o problema.

    A pessoa deve procurar uma maneira de neutralizar o seu ego sendo mais humilde e parar de pensar só em si próprio e lembrar que é D’us que rege todo o universo através de Sua grandeza e contemplar a Sua Grandeza.

    Agradeço mais uma vez pelo tempo e atenção e pelas orientações. Amém
    Shalom e tudo de bom.
    Neemias Barreto

AVISO: COMENTÁRIOS NÃO SERÃO RESPONDIDOS

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s