DUAS PESSOAS QUE FALAM LASHÓN HARÁ

O pecado é ainda maior quando duas pessoas falam lashón hará. A pessoa que está escutando dará maior credibilidade se duas pessoas contam a mesma história, do que ela daria se tivesse sido somente uma pessoa que a contasse. Consequentemente, o dano causado é maior (Chafêts Chaím, Vol. I, 5:8).

Mussar (ética e moral):

Rabi Eliézar ben Parta ensinou: Venha e veja o poder negativo da lashón hará. Como isto pode ser visto? Através do relato sobre os espiões enviados para viajar na Terra de Israel [Números 13]. Se os espiões que apenas falaram pejorativamente sobre as árvores e pedras foram severamente punidos, quem fala de modo depreciativo sobre um amigo é verdadeiramente sujeito à punição severa” (Talmud, Arachín 15a).

Comentário do Rabino Avraham: Na medida em que a pessoa se imbui da lashón hará em todo seu corpo e alma – com todo o seu coração – maior ainda é a gravidade contabilizada desta transgressão. Segue que, os ambientes familiares (e íntimos em geral) precisam ser muito cuidados e preservados desta praga. E isto é difícil exatamente devido à intimidade e amizade que geram naturalmente um sentimento de permissibilidade, justificativa e empatia sobre o assunto e a pessoa que faz lashón hará. Os pais precisam dar exemplos para seus filhos, jamais cometendo esta transgressão com eles, pois além de tudo, quando os filhos são menores do que a idade que o pecado é contado – vinte anos – o débito da transgressão recairá quase que integralmente sobre os próprios pais, porque eles que são espiritualmente responsáveis pelos filhos. Cuidado! Sua alma pode estar em perigo.

tzedakah

ASSUNTOS INCLUÍDOS NA PROIBIÇÃO DE LASHÓN HARÁ – PARTE 1

A fala depreciativa sobre uma pessoa abrange muitas áreas. Nos próximos posts, faremos um esboço de muitas delas, incluindo:

  • referências às ações dos ancestrais da pessoa ou às ações do seu passado.
  • referências aos mandamentos e proibições entre o homem e Hashém (Mitsvót Bêin Adam L’Makóm).
  • referências as mitsvót (“mandamentos”) e proibições entre o homem e seu próximo (Mitsvót Bêin Adam L‘Chaveirô).
  • referências aos traços de caráter de uma pessoa.

Mussar (ética e moral):

Hashem disse a Israel: ‘Meus filhos amados, estou Eu faltando em algo que preciso pedir-lhe para prover? E o que eu peço de vocês? Que vocês amem uns aos outros, que vocês respeitem uns aos outros e que vocês temam uns aos outros” (Tanna D’vei Eliyahu, cap. 28).

tzedakah

O QUE É LASHÓN HARÁ?

1. Falar de modo depreciativo sobre outra pessoa (Chafêts Chaím, Vol. I, 1:1; 5:1-2)

Torá proíbe falar de modo depreciativo sobre alguém

  • mesmo se nenhum dano é causado como resultado (Chafêts Chaím, Vol. I, 3-6)
  • mesmo se o falante tem certeza que nenhum dano resultará no futuro.

2. Fala que possa causar prejuízo para outra pessoa, ou sua propriedade, ou que possa causar-lhe dor ou a amedrontar (Chafêts Chaím, Vol. I, 3:6)

  • Fala que possa causar qualquer forma de dano monetário, dor ou constrangimento é proibida mesmo se não for depreciativa.
Comentário do Rabino Avraham: Vale ressaltar que o significa de dor aqui tem várias interpretações, desde a física até qualquer aspecto emocional. A questão da dor física é complexa, pois uma lashón hará pode causar com que eventos ocorram e até levem a atos perversos. Contudo, mesmo causar dor emocional por lashon hará é proibido. Note que a dor emocional tem um componente físico também, uma vez que o domínio emocional tem um aspecto abstrato/mental e um físico/biológico.

tzedakah