RECEBIMENTO

E está escrito: ראשית דגנך תירשך ויצהרך וראשית גז צאנך תתן-לו Reshit degancha tiróshcha veyitsharecha vereshit guez tsoncha titen-lô, “As primícias de teu grão, de teu mosto e de teu azeite, e a primícia da tosquia de tuas ovelhas, darás a Ele” (Devarim 18:4, parashá Shofetim).  Agora, existe um aspecto quântico sobre o desenvolvimento (binah) de uma ideia (chochmah), que será explicado com a ajuda do Céu. Veja, cada desenvolvimento de uma ideia altera os insights (ou seja, os “grãos”) originais desta, mesmo se existindo um forte desejo e foco para tentar preservar estas iluminações primárias e tão puras. Isto é assim, pois algum desvio sempre ocorre uma vez que binah é a origem dos julgamentos (guevurah). Ou seja, esta força intelectual-racional de binah separa/julga “entre” (bêin em Hebraico, e a raiz da palavra binah) uma ideia e outra, alterando assim a luz inicial de chochmah. É por esta razão que o resultado de algum entendimento de Torá é sempre diferente da visão intuitiva (chochmah) sobre estas luzes antes de sua descida para serem “julgadas”, ou seja, desenvolvidas racionalmente pela mente.

Agora, a física quântica, através do princípio de incerteza de Heisenberg, afirma que não podemos determinar com precisão simultânea a posição e o momento de uma partícula, deste modo, quanto mais precisamente se mede uma grandeza, forçosamente mais será imprecisa a medida da grandeza correspondente. Em outro nível, ao tentar trazer as iluminações de chochmah (insight/intuição) para “baixo” (ou seja, para o intelecto racional/binah), elas mesmas são afetadas e alteradas, portanto não é possível ter a ideia no nível de chochmah e binah simultaneamente, sem que haja algum desvio como explicado. Quando estas luzes elevadas chegam em binah, por assim dizer, elas lá fazem “sentido” mesmo diante da impossibilidade de capturar totalmente os insights de chochmah. De fato, elas geram inclusive emoções que surgem decorrentes do perceber nas diferenças entre os níveis mentais de chochmah e binah. Isto é assim, pois neste nível de expressão, a raiz intelectual destas emoções ainda é consciente em algum grau e nível. Ou seja, estas primeiras emoções que surgem a partir de uma ideia compreendida, tem raiz direta, portanto, perceptível ainda na própria ideia – como se a emoção fosse “consciente” de sua origem no intelecto. Quando buscando interpretar o entendimento de Torá, o indivíduo faz uso destas emoções para assim tentar “capturar” aspectos mais puros de chochmah que possam estar sendo modificados no grau de binah/racional. Desta maneira, a pessoa se “recusa” a aceitar imediatamente o seu próprio processo racional, buscando níveis mais altos e intuitivos. Contudo, esta dinâmica intelecto-emocional não significa necessariamente que as tentativas subsequentes tenham o sucesso ideal desejado de conseguir identificar e explorar as inspirações originais, pois novamente, estas tentativas também afetam a compreensão (e sua expressão na fala, escrita etc.) do entendimento de Torá, assim como explicado também sobre o princípio de incerteza de Heisenberg. Mas, o esforço emocional na tentativa de garantir a integridade das luzes originais é vital, pois isto é uma luz ela mesma que é chamada de Ór Hozer (“A luz que retorna/refletida”). De fato, ela retorna ao “alto” e se difunde na mentalidade mais elevada, afetando assim a mente, chegando até ao nível mais alto do intelecto que é kéter – a origem das vontades. Este é um processo fundamental de amadurecimento em geral e também da própria ideia enraizada na kedusha/santidade do estudo e revelações da Torá em questão. Deste modo, quando a luz dos insights toca o nível emocional, por assim dizer, ela retorna para o séchel/intelecto no grau de chochmah com novo vigor – reenergizado e expandindo/amadurecendo o séchel. Isto não significa que a mesma estrutura mental possa ser integralmente recuperada, mas sim que novas vertentes dos insights poderão ser reveladas devido à expansão da mente causada pela Ór Hozer, ou até mesmo novos insights dentro da mesma estrutura original, causados por um novo fluxo. Em última instância, a matriz original (ou seja, as primeiras ideias que formaram o pensamento sobre um assunto em questão) se expande antes de ser desenvolvida em binah. Isto é amadurecer. É importante afirmar que a inspiração essencial de chochmah não é perdida, baruch Hashem. E por isso o tempo é (praticamente) irrelevante para o indivíduo conectado com a Torá em termos da lembrança da estrutura original das ideias. E a pessoa pode então guardar esta matriz na mente, pois ela detém os pontos de luzes essenciais. O desenvolvimento no nível em que ele ocorrer, opera então como uma ferramenta intelectual que “abre e expande” estes insights originais mesmo em um tempo posterior, sempre que necessário se D-us quiser.

Agora, quando esta intensa dinâmica mental é unicamente causada pela ligação sincera e profunda do indivíduo com o estudo da Torá sem vestígio algum de motivos ulteriores (como a busca por sabedoria, kavód/desejo por reconhecimento etc.), então todas as “sementes originais” do pensamento representam uma real oferenda a Hashem. Elas então são literalmente as “primícias de teu grão, de teu mosto e de teu azeite, e a primícia da tosquia de tuas ovelhas”, entregues em devoção passional a Hashem, pois elas “darás a Ele” em primeiro lugar. E quando isso ocorre, a pessoa então recebe entendimentos do Céu, o reflexo da bênção de Hashem que ilumina a pessoa. E somente quando isto ocorre, existe real “recebimento”, que em Hebraico é קבלה Cabalá, com guemátria absoluta 137, a mesma da guemátria katán de todo o verso sobre as primícias.

tzedakah

Um pensamento sobre “RECEBIMENTO

  1. Shalom, agradeço ao Rabino por mais este estudo de Torá, sobre o principio de Heisenberg eu estudei um pouco na academia e fiquei maravilhado com este estudo, ou seja a ciência sendo conhecida, e mais ainda saber que a Torá a milênios já fala sobre este principio, fantástico, Shalom obrigado.

AVISO: COMENTÁRIOS NÃO SERÃO RESPONDIDOS

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s