8 pensamentos sobre “TOLEDOT: “IDENTIFICANDO O INIMIGO”

  1. Shalom caro Rabino Avraham e amigos do Beit Arizal,

    Peço a licença do Rabino Avraham e dos amigos para comentar o shiur:

    Entendo que o shiur mostra quão singular é a função do homem no universo, pois somente ele pode unir o físico ao espiritual e fazer a paz entre esses dois aspectos da criação, para isso o homem precisa aprender o que é o bem absoluto pela Torá somente, e assim saber também como identificar o mal de forma precisa chamando-o pelo seu nome exato, algo cada vez mais raro hoje em dia quando as racionalizações levam multidões a abraçarem o mal como bem e rejeitarem o bem como sendo mal, que D-us nos livre.

    Por isso sinto muito temor ao lidar com coisas mundanas, tratar assuntos com pessoas seculares, etc.; é uma tensão constante, rezo á D-us para me dar mais sabedoria e coragem para não inverter os valores da Torá e saber rejeitar o mal quando ele se apresenta de forma sedutora e perigosa, pois é muito sério saber que se eu me afasto um passo da verdade ela se afasta dois passos de mim, que D-us não permita. Preciso estar muito atento para não me acostumar com o mal, é preciso se estremecer diante dele por temor á D-us somente, sabendo que a leniência com o mal pode atingir um nível fatal impedindo o homem completamente de se retificar, que D-us não permita. Agradeço á D-us por esse shiur que tanto me alerta, tudo de bom caro Mestre Rabino Avraham e amigos.

    Respeitosamente, Emerson

  2. Shalom Rabino Avraham, permita-me expor em alguma linhas entendimentos que me são revelados ao estudar esta preciosa aula.

    Neste estudo o senhor nos apresenta a passagem onde o Patriarca Yitzchak, vê em seu filho Essav, o próprio guehinom, onde a perversidade e impurezas que o acompanhavam fez o Patriarca tremar de temor e apreensão diante do que lhes foi apresentado.

    “identificação do mal, você acredita no mal, você acha que pode reconhecê-lo?”

    Compreendo como alerta para o perigo que corremos a todo instante e nos apresenta possibilidade de reconhecê-lo através do desenvolver sensos perceptivos que identificaram, de modo que possamos desviar destas tentativas abundantes em nosso meio, entendo que este desenvolver de sensibilidades que pode prevenir, não somente dar-se-á com os olhos da carne, mas sim pelo aspecto espiritual que poderá transmitir ao corpo algum sinal que deveram ser entendido como um alerta, as vezes ouvimos falar de um ‘tremor ou calafrio’ diante de situações de medo ou em lugares escuros, pois como nos é ensinado somos preservados pelo Criador (Bendito Seja), de visualizarmos miríades de seres que atuam neste plano, porem em dimensões diferentes portanto ocultas a nossa visão.

    Entendo que isso ocorre quando desviamos o nosso pensamento/foco das coisas sancionadas e retas, quando negligenciamos os ensinamentos que dizem não faça isso porque pode gerar aquilo etc… ou quando não fazemos o que deve ser feito para nosso bem e dos que nos cercam, certamente precisamos estar preparados para dar o exemplo dentro de nosso lar ou sociedade onde vivemos, nos é ensinado que a hipocrisia representa um aspecto do mal que tende levar o sujeito ao caos com suas contradições, representações e hobbys, é preciso saber identificar estas pessoas ou atitudes desta e outras naturezas que representam o mal e dizer não, não quero ouvir isso, não posso andar com tal pessoa, aquilo é mal aos olhos do Criador, é preciso ter força e coragem para encará-lo de frente sem subestimá-lo, “é preciso ser astuto com o mal” oferecendo a ele algumas migalhas que lhes são de direito enquanto ocultamos o principal. Aqui faço referencia a uma frase do Mestre que diz “o segredo esta no segredo” entendo que precisamos ser prudentes em não revelar, abrir nossas intimidades a pessoas mesmo que aparentemente amigas e gentis, pois não sabemos o interior/pensamentos de cada individuo, então é preciso ser sábio e proteger-se no oculto.

    O Rabino os revela que o mal tenta incessantemente atingir o homem (que D-us não permita) no local que é preparado o recipiente das benção de D-us designadas para ele, que o mal tenta destruir a base da estabilidade do homem neste mundo que é a PAZ, somos ensinados e desejo que todos vivencie aspectos de paz dentro de seus lares e convívios “onde existe as Paz, o mal não prospera, ele fica de fora”, entendo que quando adquirido o aspecto de paz dentro de nossos corações precisamos ser diligentes no ‘cultivar e guardar os jardins’ que acredito reapresentar a paz em nosso meio, pois entendo que fomos criados para exercer este atributo e prosperar dentro destes preceitos, desenvolvendo e elevando pensamentos puros buscando níveis cada vez mais altos de entendimento que D-us permita, entendo que este é o aperfeiçoar da Criação, o melhorar de nos mesmos, interiorizando as Leis e ordenanças do Divino Um, em nossos pensamentos e ações, e assim auxiliar o Bnei Israel no grande processo de preparação deste mundo para a vinda do Único e Verdadeiro Mashiach, que D-us nos ajude a permanecer sempre retos neste propósito.

    Obrigado por tudo rabino, mais uma vez compreendo os acontecimentos destes dias com cada palavra do senhor aqui.

    Edson Bertoldo

  3. Shalom Rabino Avraham e amigos, permita-me fazer um breve comentário dessa aula tão impactante.

    Graças a D-us o Rabino Avraham nos revela neste shiur que, desde a origem da queda do homem no Gan Eden, houve uma turbidez na consciência espiritual do homem que anteriormente era clara sobre a diferença entre o Bem e o Mal.

    O Mestre nos alerta que necessitamos deste discernimento que só vem com uma conexão com Hashem através do estudo de Torá e do esforço em manter-se nas boas ações e decisões retificadas para que assim, possamos cada vez mais, diminuir a malha de nosso filtro no discernimento do Bem e do mal e podermos assim saber identificar o inimigo e evitá-lo e escolhermos o caminho do Bem.

    Agradeço ao Rabino Avraham por mais este valioso estudo que nos ajuda a crescer no caminho da retidão.

    Tudo de bom.

    Respeitosamente,

    Robson Cleber Garcia da Silva

  4. Shalom Rabino Avraham, permita-me um breve comentário sobre este shiur.

    No presente estudo nos é apresentado a parashat onde Yitzachk Avinu, ao adentrar em sua tenda, se depara com a natureza de seu filho que lhe é revelada. Neste momento, segundo o que é apresentado no shiur, o guehinom se abre diante de Yitzachk tamanha a perversidade de seu filho.

    Tal compreensão nos leva à reflexão do mal, que o presente shiur demonstra como é equivocada tal visão em todo o mundo. Enfim, o entendimento do que é o bem e o mal é muito nossa, sejamos ocidentais ou orientais, e para ter revelado e compreendido do que se trata é preciso o estudo da Torá pois somente assim aumenta-se o temor a D’us e busca-se por consequência seguir uma vida reta.

    Recomendo como complemento ao presente shiur “Proteja-se do oculto”. Ele traz a importante mensagem “Faz o bem e não preocupa-se com o mal”.

  5. Shalom Rabino Avraham e amigos. Peço a permissão do Sr. para fazer um breve comentário sobre esta aula.

    Esta aula tem como pano de fundo a cena em que Yitschak vê e identifica o mal em seu filho Essav, e imediatamente sente um tremor diante do que se descortina para ele: o “guehinon” -inferno-.

    O Mestre nos ensina nesta passagem que, Yitschak percebeu e identificou o mal em seu filho Essav, que é o ministro do mal. Yitschak tinha pleno conhecimento do que ele era e o chamou pelo seu nome. Assim também deveríamos ser; ter o conhecimento de Torá sobre o que é o Bem, e identificar o mal e assim poder chamá-lo pelo seu nome, ou seja, identificá-lo como mal – saber distinguir aquilo que é mal e não o Bem – para não correr o risco de ser um agente do mal e assim contribuir com sua agenda que visa afastar o homem de seu papel de “cultivar o Jardim do Eden”, ser um agente do Bem e contribuir para o vitalizar da Criação de D-us através da paz estabelecida necessária para a difusão da Luz Divina no mundo.

    O que ocorre é que, a falta de conhecimento de Torá, gera o afastar do homem de Hashem, e turva a sua visão espiritual, fazendo com que ele não consiga distinguir o Bem do mal, e acabe através de seu raciocínio e tendências de atender seus desejos mundanos, escolher o mal como sendo algo bom – algo já explicado pelo Rabino Avraham em outra aula- o homem escolhendo como sendo Bem aquilo que lhe satisfaz ou que ele atribui como sendo Bem e assim também com relação ao mal, tornando tudo aquilo que é absolutamente definido como Bem e como mal na Torá, uma escolha sempre relativa aos seus caprichos e “achismos” de raciocínio cego egoísta.

    Resta-nos como ensina o mestre, pertencermos ao poucos que têm coragem para chamar o mal pelo seu nome, identificando o inimigo e sendo um agente para difundir a Luz Divina neste mundo.

    Muito obrigado Rabino Avraham pela oportunidade de publicar este pequeno comentário. Peço perdão por algum erro de entendimento ou escrita que eu possa ter cometido.

    Shalom e tudo de bom.

    Respeitosamente,

    Robson Cleber Garcia da Silva

  6. Shalom Rabino Avraham, permita-me Mestre realizar um pequeno comentário sobre o presente shiur.

    Nesta parashat o mestre ressalta o momento em que Yitzack vê seu filho Essav e lhe abre a visão do Guehinom. Tal contexto nos leva a reflexão sobre como identificar o mal. Para que Hashem criou o mal? Para nos afastarmos dele e rejeitá-lo. Mas como se afastar do mal? Eis a questão que se põe pois não podemos nos afastar de algo que não conseguimos identificar. Se não entendermos o mal corremos o risco de criar uma interação do mal criando uma klipá nogá que é uma mistura do bem com o mal.

    A identificação do mal necessariamente passa pela compreensão do que seja o mal e isso é trazido por um estudo verdadeiro da Torá. Convido a todos que tiverem interesse em tal assunto a assistirem o shiur “A verdade sobre a Astrologia”. Neste shiur o Rabino Avraham Chachamovits relata sobre como é importante conhecer o mal e nos afastarmos dele e até mesmo fazer um trabalho de transformar o bem em mal, que é um trabalho mais difícil e para aqueles que conhecem profundamente a Torá.

    Obrigado Mestre pela oportunidade de postar esse comentário.

    Tudo de bom,

    Davi Niemann Ottoni

  7. Shalom Rabino
    Peço permissão para registrar este comentário.

    Como ver o mal?
    Vivemos num mundo tomado por um racionalismo mecanicista, que separa e disseca a realidade em partes objetificáveis.
    A objetificação do mundo tem um propósito perverso e maligno porque, ao separar e dissecar, tornamos o mundo um lugar amorfo, como se não fosse uma expressão direta de D’us.
    O pensamento secular até admite que tudo tenha sido criado por D’us, mas uma vez criado, o mundo passou a existir per si, sem a intervenção do criador. Este mundo per si é a essência da objetificação.
    E num mundo objetificado, as coisas estão passíveis de nossa utilização.
    Um mundo objetificado está a nossa disposição, não à disposição do Criador.
    Estas são as mãos de Essav. As mãos que tomam o mundo como ferramenta de sua própria vontade e esta é a essência do existencialismo: “D’us morreu! Façamos o mundo a nossa imagem. Que ele (o mundo) seja nosso objeto, nosso instrumento. Humanizemos o mundo!”
    Há aqui uma virada gravitacional porque o centro a partir do qual se opera já não é D’us, mas sim o próprio homem. Um mundo onde a presença divina foi extirpada e que se torna, portanto, objeto passível de servir à nossa vontade, não à d’Ele O relógio mecanicista de Descartes.
    Neste mundo, bem e mal assumem a perspectiva egocentrista. O bem e o mal se definem a partir do homem como centro. O bem e o mal se definem, portanto, segundo o nosso próprio umbigo.
    É o mundo da arrogância, da prepotência, que deseja e pensa poder expulsar D’us de sua criação.
    A verdade, no entanto, é que D’us cria e recria a sua criação constantemente, inesgotavelmente, por toda Sua Eternidade. Ele põe e dispõe num fluxo infindável e o homem que acredita que o mundo foi deixado à sua míngua e que pode tomá-lo segundo seu próprio umbigo, vai descobrir que se apega à forma externa e perecível e, como aquilo ao que se apega, seu destino será também transitório e perecível. Seu frutos serão colhidos neste mundo sem D’us, portanto, sem o amanhã. E quando as formas secas e sem vida se forem ele também perecerá.
    O sábio e o justo que guiam sua vida pela providência divina e sujeitam suas existências e tudo que tem à vontade e regência do Rei, acumulam seus créditos no mundo vindouro e nele encontrarão sua recompensa.
    Shalom
    Rubens

  8. Shalom Rabino Avraham, peço permissão para postar um comentário sobre a aula.

    Quem enganou quem: Yakov enganou Itschak e Essav? Ou foi Essav quem, achando que estaria enganando a todos, enganaria apenas a si mesmo desde o começo, sendo Yakov apenas quem pela via da razão deu o ‘empurrão final’ para concretizar o destino de seu irmão perverso. No final quem teria razão sempre teve razão.

    Enquanto Yakov estudava, Essav se preocupava em acumular bens materiais (pela via da pilhagem do alheio) e mulheres, Essav intencionava casar com mulheres sem para isso considerar qualquer outro critério que não o do seu próprio apetite insaciável, isto é, sem bom senso algum, inclusive tomava-as pela via do assédio. E Yakov estudava, e na mesma medida que Yakov estudava Essav bajulava seu pai, e nessa bajulação Essav falava e fazia o que sua astucia notava que Yitzhak gostaria de ouvir e engolir, e, assim durante anos Essav usurpava o lugar que já era de Yakov.

    Entretanto, Yakov ficava sábio porque só se preocupava em estudar e buscar a verdade que, afinal, é o selo de Hashem, Yakov não precisava provar algo para algum outro… Enquanto o Outro, através Essav, literalmente cegava seu pai Itschak para provar-se primogênito e santo, através da bajulação desprovida de qualquer saber.

    Carlos Bengio

AVISO: COMENTÁRIOS NÃO SERÃO RESPONDIDOS

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s